Treze dias depois de terem marchado até a sede da CBF para anunciar que criarão uma liga para organizar o Campeonato Brasileiro, dirigentes avançam para tirar a ideia do papel. Representantes dos 40 clubes das Séries A e B se reuniram nesta segunda-feira em um hotel em São Paulo – 36 presencialmente, 4 por vídeo – e ouviram propostas de três grupos interessados em participar da operação do bloco.

Um dos grupos é liderado pelo advogado Flavio Zveiter e por Ricardo Fort, ex-executivo da Coca-Cola; outro é coordenado pela consultoria KPMG; e um terceiro é organizado pela empresa Livemode.

O ge ouviu pessoas que estiveram na reunião e obteve detalhes sobre as propostas de Zveiter e KPMG. Procuradas pela reportagem, nenhuma das partes quis se pronunciar publicamente sobre a concorrência.

Os projetos têm finalidades semelhantes, mas com estruturas diferentes. Ambos prometem a captação de valores de alguns bilhões de reais para refinanciamento das dívidas dos clubes e uma reconfiguração do Campeonato Brasileiro e da Série B, além da criação de novas receitas.

Também houve uma apresentação de um representante da consultoria americana McKinsey no Brasil. Ele compartilhou ideias colhidas em outros mercados nos quais a empresa atua – e que contam com ligas há mais tempo. Mas a empresa não pretende assumir a operação da liga.

Cada “candidato” teve 40 minutos para apresentar propostas. Zveiter encerrou em 33 minutos, em tempo para responder a perguntas de dirigentes. Um deles perguntou se os clubes precisariam deixar de ser associações civis para virar empresas. O advogado disse que não.

O grupo foi perguntado se pretendia apenas assessorar os clubes na formação de uma liga ou efetivamente participar da operação. O advogado respondeu que a ideia é “colocar a mão na massa”.

A KPMG estendeu a apresentação e não chegou a reservar tanto tempo para questões. A empresa tinha na plateia alguns de seus clientes – Corinthians e Vasco falam abertamente que contrataram sua consultoria, enquanto outros seguem a confidencialidade. Não quer dizer que esses clubes tenham lado pré-definido na “concorrência”.

Os projetos não foram formulados agora. Eles vêm sendo trabalhados há cerca de um ano. Zveiter e KPMG chegaram a se reunir com dirigentes, individualmente, para apresentar ideias. Quando os cartolas tomaram a decisão de anunciar a criação da liga, o processo acelerou, e ambos tiveram apenas de adaptar apresentações.

Fonte: Globo Esporte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?